A sutileza do Espírito

Se somos o quanto ganhamos,

Por que nunca temos o que somos?

Porque a essência é como o sussurro da palavra amor dos lábios até os ouvidos.

Uma onda eletromagnética

Caminhante na velocidade da luz,

Incabível em apenas uma dimensão,

Fora do alcance de qualquer mão.

Somente o coração é seu destino,

Bem no fundo.

Somente o coração a acessa.

Pois o coração não se bate por coisas vis,

De inferiores dimensões.

É das grandezas que sabiamente retira o ritmo de seu próprio compasso.

Nunca teremos aquilo que somos.

Porque ter é muito pesado.

E para voar, apenas precisamos ser.

Partitura

Foste afiada.

Afinaste minha corda bamba.

Tensionaste, apertaste, giraste e regulaste meu samba.

Vibraste-me com teus dedos.

Senti teus calos, teus afagos e teus receios.

Chorei “dó” e propus um “si”.

E se me tocas e me fazes música?

Sou parte tua,

sou partitura.